EMBRAPII (Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial)

A EMBRAPII (Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) é qualificada como uma Organização Social pelo Poder Público Federal desde setembro de 2013. A assinatura do Contrato de Gestão com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC ocorreu em 2 de dezembro de 2013, tendo o Ministério da Educação – MEC como instituição interveniente. Os dois órgãos federais repartem igualmente a responsabilidade pelo seu financiamento.

UNIDADES EMBRAPII / USP

  • ESALQ – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”;A Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ), pertencente à USP tem contribuído de forma decisiva para o avanço tecnológico da agricultura brasileira, ao longo dos seus 116 anos. Isto, graças à expressiva formação de recursos humanos, e aos elevados ganhos de produtividade no campo, advindos de pesquisas em ciências agrárias e ambientais. O campus da ESALQ possui 914 ha de área total e 263.320 m2 de área construída, além de quatro estações experimentais, num total de 2.910 ha.A ESALQ desenvolve programas especiais como ESALQTec e AgTech Valley visando criar um polo de tecnologia voltado à inovação agrícola do país. Estes programas visam o estabelecimento de parcerias com empresas e pessoas físicas para o avanço científico e tecnológico do país.O credenciamento da ESALQ como uma Unidade EMBRAPII está em consonância com a visão estratégica da instituição. Esta Unidade integra diferentes áreas de conhecimento para o desenvolvimento de produtos inovadores, tecnologias e soluções para o manejo sustentável de pragas, com destaque para agentes de controle biológico e microbianos, feromônios e outros defensivos agrícolas naturais.Para saber mais sobre a Unidade, acesse: http://www4.esalq.usp.br/.

 

  • IFSC – Instituto de Física de São Carlos;
    O Instituto de Física de São Carlos (IFSC), da Universidade de São Paulo (USP), teve sua origem na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), fundada em 1954, quando constituía o seu Departamento de Física. Em 1971, em virtude da reforma universitária, passou a fazer parte do Instituto de Física e Química de São Carlos (IFQSC), tendo sido finalmente criado como tal em 1994, com o desdobramento do antigo IFQSC. Desde sua origem mostrou vocação em pesquisa em diversas áreas da física, sobretudo na área de Estado Sólido, e, hoje, o IFSC abriga projetos de pesquisa que transpõem as fronteiras da física. Credenciado como Unidade EMBRAPII, possui uma produção científica de nível internacional, além de uma forte participação dos docentes em eventos científicos, nacionais e internacionais.Para saber mais sobre a Unidade, acesse: https://www2.ifsc.usp.br/portal-ifsc/.

 

  • POLI – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo;
    A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP) tem mais de um século de história, formando gerações de engenheiros que têm se destacado em vários setores da sociedade. Fundada em 1893, a então denominada Escola Politécnica de São Paulo foi incorporada à USP em 1934. Hoje ela é referência nacional e considerada a mais completa faculdade de Engenharia da América Latina. Além dos diversos cursos de excelência oferecidos na graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado, a Poli também se destaca na realização de pesquisas científicas e tecnológicas, com as quais contribui para o progresso social e econômico do País e para a modernização, competitividade e qualidade dos produtos e processos das empresas.Em 2015, foi credenciada como Unidade EMBRAPII para desenvolver projetos de inovação em parceria com empresas na área de Materiais para Construção Ecoeficiente. Para saber mais sobre a Unidade Poli/USP, acesse: http://www.embrapii.poli.usp.br/

 

  • TECNOGREEN POLI – resultado da união de pesquisadores da Escola Politécnica da USP nas áreas de Engenharia Química, Minas, Petróleo, Metalurgia, Materiais e Civil.
    A Unidade EMBRAPII TECNOGREEN é resultado da união de pesquisadores da Escola Politécnica da USP nas áreas de Engenharia Química, Minas, Petróleo, Metalurgia, Materiais e Civil. Há pelo menos 25 anos desenvolvem-se projetos de P,D&I em parceria com indústrias de diversos setores visando melhorar competitividade. A Unidade foi criada com núcleo no LAREX (Laboratório de Tratamentos de Resíduos, Reciclagem e Extração) e conta, ainda, com os laboratórios: CEPEMA (Centro de Pesquisa e Educação em Meio Ambiente), NAP.Mineração Universidade de São Paulo, FLQi (Laboratório de Fenômenos de Transporte e Química de Interfaces Aplicados à Engenharia Mineral), LTM (Laboratório de Tratamento de Minérios e Resíduos Industriais), CESQ (Centro de Estudos de Sistemas Químicos) e LMS (Laboratório de Mecânica dos Solos Prof. Milton Vargas).

    O LAREX atua desde 1992 em projetos de reciclagem, tratamento de resíduos, tratamento de efluentes, biossorção, biorremediação, biolixiviação e processos químicos extrativos de alta temperatura ou em meio aquoso. Assim, a junção destes laboratórios tem permitido desenvolver projetos em sistemas complexos envolvendo equipes multidisciplinares com uma visão holística.